Manuel de Lima Bastos   🕇

 

Disponível mediante contacto com a APE

Cerimónia de entrega

Grande Prémio de Crónica e Dispersos Literários

Abertura das candidaturas ao Grande Prémio de Crónica e Dispersos Literários APE/Câmara Municipal de Loulé

 

Destina-se a galardoar anualmente uma obra em português, de autor português, publicada em livro e em primeira edição, no ano anterior ao da sua entrega, nos domínios da crónica e dos dispersos literários reunidos em volume.

Prazo de entrega das obras:  1 a 31 de Março de 2021.

 

Consulte o regulamento

Grande Prémio de Poesia Maria Amália Vaz de Carvalho

Abertura das candidaturas ao Grande Prémio de Poesia Maria Amália Vaz de Carvalho APE/Câmara Municipal de Loures

 

Destina-se a galardoar obras de poesia publicadas em 1.ª edição, no ano 2020, em português e de autor português.

Prazo de entrega das obras:  1 a 31 de Março de 2021.

 

Consulte o regulamento

Carmen Dolores (1924-2021)

Homenagem de memorial afecto e dor à actriz suprema,
escritora e intérprete de poetas.
Sócia Honorária da APE.

Grande Prémio de Conto Camilo Castelo Branco APE/CM Vila Nova de Famalicão

Abertura das candidaturas ao Grande Prémio de Conto Camilo Castelo Branco APE/CM Vila Nova de Famalicão

 

Destina-se a galardoar anualmente uma obra em português, de autor português ou de país africano de expressão portuguesa, não sendo admitidos a concurso livros póstumos nem de índole infanto-juvenil ou de autores que tenham sido premiados numa das cinco edições anteriores.

Prazo de entrega das obras: 10 de Março a 5 de Abril de 2021.

 

Consulte o regulamento

Grande Prémio de Romance e Novela/DGLAB

Abertura das candidaturas ao Grande Prémio de Romance e Novela/DGLAB

 

Destina-se a galardoar, anualmente, um livro de carácter romanesco ou novelístico, em português e de autor português.

Prazo de entrega das obras: 10 de Março a 5 de Abril de 2021.

 

Consulte o regulamento

Grande Prémio de Poesia Teixeira de Pascoaes APE/Câmara Municipal de Amarante

Na manhã do próximo domingo, dia 10 de janeiro, vai ser entregue nos Paços do Concelho de Amarante o Grande Prémio de Poesia Teixeira de Pascoaes APE/C.M. de Amarante a Luís Filipe Castro Mendes.

Dado o contexto pandémico que o país vive atualmente, a cerimónia será de acesso limitado.

Confirmadas estão as presenças do premiado, que desempenhou funções como Ministro da Cultura, assim como dos presidentes da Associação Portuguesa de Escritores (José Manuel Mendes) e do Município de Amarante (José Luís Gaspar).

 

In averdade.com

ADIADA
devido à proibição de circulação entre concelhos e recolhimento obrigatório durante o fim de semana
LUÍS FILIPE CASTRO MENDES VENCE O
GRANDE PRÉMIO DE POESIA TEIXEIRA DE PASCOAES APE/C.M. DE AMARANTE – 2018/2019


Um júri constituído por Clara Rocha, Isabel Cristina Mateus e José Tolentino Mendonça decidiu, por unanimidade, atribuir o Grande Prémio de Poesia Teixeira de Pascoaes APE/C.M. de Amarante ao livro Poemas Reunidos, de Luís Filipe Castro Mendes (Assírio & Alvim).

Da acta destaca-se: “O júri teve em conta a revisitação e renovação das formas clássicas, elegia e soneto, e, em especial, a relação com a tradição camoniana (…) Valorizou ainda o jogo dialógico com os autores do cânone cultural ocidental, bem como a ponte intercultural com o Oriente e o Brasil. Mereceu igualmente destaque uma visão irónica e auto-irónica relativamente à contemporaneidade.

O Grande Prémio de Poesia Teixeira de Pascoaes, bienal, da Associação Portuguesa de Escritores  com o patrocínio da Câmara Municipal de Amarante, admitiu a concurso obras completas de poesia ou antologias poéticas de autor publicadas nos anos 2018 e 2019, em português e de autor português.

O valor deste Grande Prémio é de € 12.500,00 (doze mil e quinhentos euros).

A cerimónia pública de entrega do Grande Prémio de Poesia Teixeira de Pascoaes APE/C. M. de Amarante será oportunamente anunciada.


Lisboa, 16 de Dezembro de 2020
                                                                               
A Direcção

Poeta ficcionista português, Luís Filipe Castro Mendes nasceu em 1950 e, ainda muito cedo, entre 1965 e 1967, foi colaborador do jornal Diário de Lisboa-Juvenil. Em 1974, licenciou-se em Direito pela Universidade de Lisboa e desenvolveu, a partir de 1975, uma carreira diplomática sucessivamente em Luanda, Madrid e Paris. Ao serviço do Ministério dos Negócios Estrangeiros, esteve ainda colocado no Conselho da Europa. Enquadrável numa estética pós-modernista, a obra de Luís Filipe de Castro Mendes revela um universo enigmático onde o fingimento e a sinceridade, o romântico e o clássico, a regra e o jogo levam até às realizações mais lapidares e expressivas O Jogo de Fazer Versos. Desde Recados (1983), o seu livro de estreia, onde problematiza quer a relação entre o sujeito e a realidade pela impossível nomeação que inscreve a poesia entre a palavra e o silêncio (…)  Areias Escuras (1984), Seis Elegias e Outros Poemas (1985), galardoado com o prémio da Associação de Jornalistas e Homens de Letras do Porto, A Ilha dos Mortos (1991), O Jogo de Fazer Versos (1994) e Outras Canções (1998) são ainda exemplos de outras obras deste autor.

 

(Fonte: https://www.assirio.pt/)

 

Aberto as candidaturas

Destina-se a galardoar bienalmente uma Obra Completa de Poesia ou Antologia Poéticas de Autor, em português e de autor português, publicada integralmente e em 1.ª edição, nos anos 2018 e 2019.

Prazo para entrega das obra inicia a 3 de Setembro com termino a 30 de Setembro de 2020

 

Consulte o regulamento

© 2010 - 2021, APE - Associação Portuguesa de Escritores
Desenvolvido por: Joaquim Trindade